Francisco Manuel Sousa
  • A canção mais estúpida da História da música portuguesa

    Na canção “Anel de Rubi”, o Rui Veloso afirma que aprendeu uma grande lição: «não se ama alguém que não ouve a mesma canção».

    E eu aprendi que não se ama alguém que ouve o “Anel de Rubi” do Rui Veloso.


    Comentar
  • Orgulho lusitano



    Comentar
  • Cenas a granel (I)

    O PACIENTE entra no gabinete, visivelmente ansioso. O MÉDICO, sentado à secretária, e enigmaticamente calmo, faz-lhe sinal para que se sente. O PACIENTE assim faz.

     

    MÉDICO: Oiça, eu chamei-o cá porque já chegaram os resultados da biópsia aos pólipos que lhe retirámos há três semanas.

    PACIENTE: Ó meu Deus! E então, Sr. Dr.? É cancro, não é? Eu já sabia que algo não estava bem…

    MÉDICO: Nada disso.

    (Pausa)

    MÉDICO: É completamente o oposto.

    PACIENTE: Como assim, o oposto?

     

    O MÉDICO roda uma folha com texto e imagens que está em cima da mesa, para que o PACIENTE a possa ler.

     

    MÉDICO: Bem, na verdade, como pode ver, o que o Sr. tem são rebuçados Bola de Neve a crescer-lhe ao longo de todo o intestino.

    PACIENTE (meio confuso, meio indignado): Rebuçados Bola de Neve? Mas isso não é mau na mesma?

    MÉDICO: Ó meu amigo, só se não gostar de rebuçados Bola de Neve! Tirando isso, é absolutamente inofensivo.

     

    O PACIENTE olha incrédulo e pensativo para a folha durante alguns segundos. Depois, levanta lentamente o olhar para o MÉDICO.

     

    PACIENTE: E são muitos?

    MÉDICO (entusiasmado): Pelas minhas estimativas, se fizermos uma colonoscopia a cada dois meses, conseguimos sacar-lhe quilo e meio, quilo e setecentas deles.

     

    Comentar
  • Aquela máquina

    Descobri hoje que Fernando Girão, antes de se dedicar à música a tempo inteiro, jogou futebol nas camadas jovens de vários clubes brasileiros importantes. Parece até que, quando veio para Portugal, esteve perto de assinar um contrato profissional com o Sporting.

    É caso para dizer que se perdeu um potencial futebolista de topo, mas ganhou-se um enorme tocador de peças de mobiliário.

    girao

     

    Comentar
  • Yogurt Gigolo

    Hoje, no metro, uma promotora da Oikos andava a trocar dois beijinhos por um vale de desconto. Tal como o resto da maralha, cedi, sem pensar.

    Não há volta a dar: o capitalismo fez de mim um prostituto. Eu, que nem costumo comer Oikos.


    Comentar
  • Frases Perdidas (II)

    «Nossa, gente! Tal e qual São Paulo!», espantou-se a turista brasileira quando o comboio chegou à estação da Amadora. E a gente que estava com ela concordou.


    Comentar
  • Frases Perdidas (I)

    «Eu vou mas é tirar os óculos, para não ter que ver esta sujidade toda», disse a empregada das limpezas, já com dez horas de trabalho no corpo. Ainda faltavam duas para acabar o turno.

     

    Comentar
  • Lobo em pele de cordeiro

    Ontem vi pela primeira vez o lindíssimo Thérèse (1986), de Alain Cavalier. Haveria, sem dúvida, muito para falar acerca do filme. Fica para outra altura. Foquemo-nos apenas na cena que me fez saltar no sofá: minuto 9, a Teresinha vai ao Vaticano pedir que a deixem entrar nas Carmelitas.

    Que diabo, a página do filme no IMDb credita um tal de Armand Meppiel, mas para mim este será sempre o filme em que o Lobo Antunes aparece a fazer de Papa.

    lobo


    Comentar
  • Primeiro

    A partir de hoje, irei despejar aqui coisas acerca do que vi, ouvi, imaginei, fiz e penso vir a fazer.

    E pronto, vamos lá a isso.


    Comentar